Os adoçantes sem açúcares são realmente uma opção mais saudável?

Ir na onda do “sugar free” tem se tornado um padrão quando estamos tentando entrar em uma dieta, e há uma crescente conscientização global sobre os perigos do açúcar nas dietas ocidentais há alguns anos.

Então, se não estamos comendo açúcar, mas ainda queremos saborear um doce, qual é a melhor alternativa? Os chamados adoçantes “naturais” do bem.

Com as preferencias dos consumidores fazendo com que os fabricantes de alimentos mudem seus produtos, muitas vezes removendo o açúcar. É uma ótima tendência, mas vale a pena conferir o que vai para os alimentos no lugar do açúcar e se armar com informações sobre esses substitutos.

Há duas coisas principais que a industria de alimentos faz para manter a doçura nos produtos sem açúcar. O primeiro é o uso dos chamados açúcares “naturais: mel, xarope de malte de arroz, maple syrup, suco de frutas, açúcar de coco, etc. Isso significa que os profissionais de marketing de alimentos podem reivindicar chamadas como “sem açúcar refinado” ou “naturalmente adoçado” na embalagem de um produto.

Embora tecnicamente verdade, isso pode ser enganoso. Todos os ingredientes acima são classificados como “açúcares livres” pela OMS (Organização Mundial da Saúde), que recomenda limitar nossa ingestão diária a menos de seis colheres de chá. Comer algo adoçado com um desses açúcares “naturais” não é melhor do que comer algo que contenha açúcar branco comum.

A outra coisa que os fabricantes estão fazendo com mais freqüência é usar adoçantes artificiais ou “não nutritivos”. Estes não tem valor calorico, mas têm um sabor realmente doce. Eles também tem um pouco de má reputação, embora existam alguns naturais, como stevia, que são mais aceitos e estão sendo amplamente utilizados.

A pesquisa em torno de adoçantes não nutritivos é interessante. Os tradicionais – aspartame, sucralose, etc – são alguns dos aditivos alimentares mais estudados. Durante muito tempo, não houve fortes indícios de que eles são prejudiciais, mas recentemente tem havido a comprovação destes ingredientes no aumento do risco de doenças cardíacas, câncer, pressão alta e diabetes. Eles também foram ligados ao aumento da circunferência da cintura e obesidade.

Tem sido sugerido que os adoçantes podem ter um efeito sobre as bactérias em nosso intestino, alterando-o de tal forma que estamos mais inclinados a ganhar peso – o oposto do que esperamos ao escolher um alimento ou bebida sem açúcar.

A exposição a adoçantes não nutritivos no inicio da vida – e até mesmo no útero – tem sido associada com uma má saúde cardio-metabólica durante o crescimento. Como uma pesquisa mencionada anteriormente, no entanto, mais investigações são necessárias.

Por enquanto, parece que os adoçantes não nutritivos podem não ser a melhor solução sem açúcar. Então, qual é a resposta se queremos um sabor doce com menos açúcar?

Os especialistas dizem que não precisamos nos preocupar com os açúcares naturais – os chamados açúcar “intrínsecos” – em coisas como frutas e cereais, que estão presos nas paredes das células desses alimentos e não são uma preocupação. Além disso, eles vem como parte de alimentos integrais que tem outras coisas boas como macronutrientes, vitaminas, minerais e fibras.

Um pouco de açúcar adicionado também pode ser bom, mas lembrem-se sempre incluir açúcar branco, mascavo, xarope, mel, suco de frutas, melado e todos os chamados açúcares “naturais”, como açúcar de coco, melado de cana e xarope de malte de arroz não deve ultrapassar o consumo recomendado.

Seis colheres de chá não são uma grande quantidade, porém em uma só lata de refrigerante já ultrapassa esse limite. Portanto, é melhor que tenhamos como objetivo, o mínimo possível do consumo desse ingrediente.

Coisas coisas tendem a nos fazer desejar coisas mais doces, então quanto menos consumir, mais poderemos resgatar o paladar para aceitar um sabor menos doce. Ao cortar gradualmente os adoçantes, com o tempo, reduziremos os desejos e nos condicionaremos a uma nova dieta.

Com bebidas, a transição de para uma opção sem açúcar pode ser útil, mas não pare por aí. Tente chegar a um ponto em que coisas doces realmente sejam apenas um deleite ocasional.

Todos os ingredientes que vem da natureza de maneira pura tem um valor nutricional agregado e destinado para o consumo, a industrialização torna os níveis de açúcar descontrolado e assim nos tornamos viciados.

Viva melhor, com menos açúcar e mais saúde.




Comments (2)
  1. Ricardo Bonaventura Reply

    Gostaria que compartilhassem de que estudo científico tiraram tais informações. Principalmente estas aqui:
    “Durante muito tempo, não houve fortes indícios de que eles são prejudiciais, mas recentemente tem havido a comprovação destes ingredientes no aumento do risco de doenças cardíacas, câncer, pressão alta e diabetes. Eles também foram ligados ao aumento da circunferência da cintura e obesidade.”

    Estas informações não estão bem coerentes. Quero que compartilhem os estudos com humanos e com este desfecho de cancer e doenças cardíacas pelo uso de adoçante. De informações equivocadas o mundo ja esta cheio

    1. newguyme Reply

      Olá Ricardo, as informações apresentadas estão coerentes com diversas estudos. Sugiro buscar estas informações, pois o açúcar refinado (e o excesso do consumo de açúcares naturais ou não nutritivos) são prejudiciais à saúde humana.

      Aqui vão alguns dados de referência para a criação do artigo, que foi apoiado pela empresa Les Mills da Nova Zelândia.

      http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/cancer/site/prevencao-fatores-de-risco/alimentacao/adocantes-artificiais
      https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/8927
      https://academic.oup.com/jnci/article/94/17/1293/2519872
      https://www.bmj.com/content/291/6507/1467.abstract
      http://cebp.aacrjournals.org/content/14/1/138.short


Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *